quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Nem todo mundo deseja o Natal

E eu me encaixo no grupo dos que não desejam!

Mas antes de pensarem em me julgar, tentem entender. Se ainda assim não conseguir entender, bem, tente ao menos me respeitar, é o mínimo. Todo problema tem uma origem e a minha aversão ao natal não foge dessa regra.

Natal é época que as pessoas querem ficar junto com suas famílias... e no meu caso, que família me resta?? Não tive a família que a maioria das pessoas teve, com um pai, uma mãe, primos e essas coisas... fui privada disso tudo por muitos anos, precisei fazer muita terapia pra superar isso. Eu vivia com minha avó que me proibia de fazer tudo o que eu queria, tanto quando criança como também na adolescência, e por sorte hoje em dia não preciso mais viver com ela. Aí logo já pensam que eu reclamo de barriga cheia. Bem, hoje o post será longo, explicando todo um contexto desfavorável pra saúde mental de um ser humano.

Desde pequena nunca tive minha mãe nem meu pai comigo e nem mesmo irmão. Meu irmão mais novo nasceu longe de mim e foi criado longe de mim também. Fui criada com minha avó, antiquada, controladora, nervosa, neurótica, que achava que as pessoas deveriam gostar dela por obrigação. Tinha hora pra tudo: pra comer, pra dormir, pra estudar, pra respirar e pouco tempo pra viver. Desde pequena ela dizia que eu era rebelde, desbocada, frequentemente eu era ameaçada de ser "devolvida" caso continuasse me comportando mal. Antes que me perguntem, eu só tirava notas altas na escola, aprendia tudo sozinha, mas isso não bastava, porque eu queria viver e isso parecia ser um crime. Não podia brincar na rua, nunca deixou eu andar de bicicleta, era forçada a ir na igreja e a conviver no meio de um monte de gente velha, quando crianças da minha idade se aproximavam e vinham querer brincar, logo dava um jeito de afastá-las de mim e fazer eu achar que todas me invejavam, quando na realidade era eu quem as invejava por poderem ser crianças. Resumindo minha infância: não tinha meus pais, não podia ter amigos, não podia brincar com o que eu queria, ninguém me dava atenção pois estavam sempre ocupados demais para brincarem comigo, sofria bullying na escola e ninguém me defendia. Parabéns, esta foi a "família" que eu tive. Depois me perguntam por que eu já tentei me suicidar...

Minha adolescência também não foi das melhores. A de ninguém costuma ser muito boa, mas quando junta fator adolescência + hormônios + família ruim, as coisas tendem a piorar. Nessa época eu me revoltei mesmo. Passei por cima da autoridade deles, mandei muita gente ir pro inferno... mas ainda assim não me davam paz! Eu não podia sair, não porque se preocupavam comigo mas se preocupavam com o que os vizinhos pensariam a meu respeito. Apenas com meu primeiro namorado que deixavam eu sair, na verdade queriam me empurrar pra cima dele de qualquer modo, tanto que quando eu terminei com ele, fiquei de castigo por causa disso. Queriam que eu fosse quem eu não era. Controlavam até meu ciclo menstrual, iam fuçar na lixeira do meu banheiro pra saber se tinha vindo, e se não vinha me forçavam a tomar um remédio que forçava a menstruação a descer. Resultado disso? Com 17 anos eu quase perdi um ovário por causa desse remédio que causou um cisto gigante, e se esse cisto tivesse estourado, eu poderia ter morrido por causa do medo deles de que eu estivesse grávida. A questão é: eu SABIA que não estava grávida e tinha que aguentar essa gente neurótica!!

Durante minha infância tive depressão uma vez. Durante minha adolescência tive depressão 2 vezes. Com 12 anos eu jurei pra mim mesma que iria embora de lá logo que completasse 18 anos. Aos 18 anos eu cumpri essa promessa e fui embora. 

Está agora se aproximando o natal e querem que eu vá lá passar uns dias... mas eu não quero ir!!!!!!!!! Aí pessoas de fora ficam me olhando como se eu fosse um monstro, insensível que não tem consideração pela minha avó, que não tem dó... Hey, amor não é por obrigação ou por dó, ou se tem ou não tem e infelizmente as lembranças que eu tenho são muito ruins. Eu não a odeio ou desprezo, mas simplesmente não consigo amar... sou eu um monstro? Creio que não... eu fui criada sem esse amor, fui criada sem ouvir ninguém me dizer que me amava, sem ninguém vir me abraçar espontaneamente, num ambiente frio, austero... eu só fui ter alegria de viver depois dos meus 20 anos de idade!!! A maioria das pessoas tem boas lembranças da infância e adolescência, eu não tenho essas lembranças boas, tenho apenas lembranças ruins e as poucas lembranças boas que tenho são da minha adolescência, em momentos que eu fugia de casa pra ser um pouco feliz. 

Eu odeio o natal, porque eu gostaria de ter uma família de verdade e não tenho, porque eu gostaria de passar com as pessoas que eu amo mas sou obrigada a viajar para passar com pessoas que não amo e que me trazem lembranças muito ruins. Como eu queria poder sumir nessa época do ano :(

Um comentário:

  1. eu detsto natal so por q ele existe nao me lembro de nada muito especifico para q eu deteste ele, kkk

    ResponderExcluir